top of page

ESTAMOS BANALIZANDO A FUNÇAO DE CONSELHEIRO?

Atualizado: 31 de jan. de 2023

Por Wanderlei Passarella - Founder & Chairman no CELINT


Quando vejo um artigo como este abaixo, dizendo o que já venho afirmando há anos, sinto que estamos no caminho correto no CELINT - Centro de Estudos em Liderança e Governança Integrais.


Em primeiro lugar, a ânsia por se mostrar um profissional requisitado e que alcançou o patamar superior máximo da carreira, faz com que muitos aceitem atuar em diversos Conselhos ao mesmo tempo.


O que já está para lá de claro, porém, é que há um limite de números de Conselhos em que alguém pode atuar, se deseja fazer um bom trabalho e contribuir de fato.


E esse limite é variável (depende do porte das empresas, de suas complexidades operacionais, de seus momentos estratégicos, de suas facilidades ou dificuldades societárias, entre outros). Porém, eu arrisco um número mágico: cinco é o limite para quem é Conselheiro Profissional nestes nossos novos tempos tão demandantes.


Em segundo lugar, a necessidade de ampliação do horizonte profissional e a maior expectativa de vida fazem com que mais e mais executivos desejem migrar, ao longo do tempo, para o Conselho em algum momento.


Para aquecer as turbinas, executivos em pleno exercício de suas funções, estão aceitando mais de um Conselho em paralelo, como forma de acelerar essa possibilidade de migração total no futuro.


E isso tem criado pressões exageradas tanto para o Conselho em que atua, como para ele mesmo, de forma inconsciente, pois ele acaba sendo um obstáculo para a profundidade e a agilidade das decisões.


E, em terceiro lugar, o aumento da demanda por atuação em Conselhos, bem como o próprio aumento das vagas, tem estimulado mais e mais escolas, clubes de networking, diplomações, certificações e assemelhados, que não têm uma base tão sólida em suas práticas, a oferecerem formações rasas e com pouco posicionamento ético em face dos reais desafios da função de Conselheiro.


Carecem da experiência profunda necessária (afinal, o conselheiro é um sábio, como abordo em meu último livro “Conselheiro de Empresas – o que você precisa saber para uma carreira promissora") e utilizam técnicas de marketing agressivas para disseminar a falsa ideia de uma carreira fácil....pronto, falei!!!


Por isso tudo, pense bem na responsabilidade e na necessidade de se aprofundar de fato neste assunto (Governança, Conselho) e se prepare adequadamente, equilibre seu tempo com as demandas de seu trabalho atual e vá, ao longo do tempo e com equanimidade, sendo um elemento de transformação construtiva para as organizações em que você vier a atuar no Board!!!







7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page