Os Dez Mandamentos (paradoxais) do Conselheiro Consultivo

Ser um Conselheiro Consultivo, à primeira vista, parece uma tarefa fácil: vou a uma reunião por mês, recebo o material de leitura prévia, não tenho preocupação com grandes pressões, debato os assuntos durante a reunião, dou minha opinião, os acionistas tomam a decisão e vou embora. Não, não é bem isso!

Artigo | Os Dez Mandamentos (paradoxais) do Conselheiro Consultivo
Por Wanderlei Passarella - Chairman & CEO no CELINT e Conselheiro Certificado Internacional

Para executar a função de Conselheiro Consultivo com maestria é preciso dedicação, competências específicas – motivo dos Programas do CELINT e da nossa Joint Venture CELINTBRA – e, também, habilidades humanas importantes. Determinadas habilidades e atitudes corretas, as quais vamos tentar retratar aqui, nestes “Dez Mandamentos”.


Por isso, resolvi escrevê-lo, para ressaltar essas atitudes que, muitas vezes, exigem a compatibilização de demandas incongruentes ou paradoxais. Isso é importante! O entendimento de que o exercício da função do Conselheiro demandará essa capacitação de unir opostos, de trabalhar com esses paradoxos.


Clique o PDF abaixo e vamos a eles!


CELINT_e-Book_OS-DEZ-MANDAMENTOS-DO-CONSELHEIRO-CONSULTIVO
.pdf
Download PDF • 1000KB

Por Wanderlei Passarella

Chairman & CEO no CELINT e

Conselheiro Certificado Internacional (ProDir®/CCAe/ConCertif®)


388 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo